Stefania Diop, Diretora de Nestlé Professional

Ago 20, 2015

O que faz quando um grande número de pessoas quer comprar café, mas não tem forma de chegar até elas?

Essa foi a situação com que me deparei enquanto Diretora de Nestlé Professional, o nosso negócio Fora do Lar, em Abidjan, Costa do Marfim, em 2011.

 

Na altura, a única forma de vendermos Nescafé nos grandes mercados de rua das cidades era através de carrinhos grandes e pesados ou através de máquinas instaladas nos edifícios. Contudo, em zonas com uma grande densidade de pessoas e onde a eletricidade não é acessível, nenhum destes métodos é eficaz.

O nosso Diretor de Região lançou-nos o desafio. Seriamos capazes de criar uma forma para melhorar as vendas de café?

 

Modelo de franchise

Eu sabia que tinha que existir uma resposta.

No final de contas, somos especializados em alimentação e bebidas que estão fora de casa e, no caso de Abidjan, a maioria das pessoas consome nas ruas.

O orçamento era reduzido, não era possível investir em Colaboradores a tempo inteiro, por isso tinha que criar um modelo de negócio diferente.

Pensei que se disponibiliza-se todas as ferramentas necessárias para a confeção de café a alguém, essa pessoa apenas precisava de uma pequena cozinha para o preparar, vender e ganhar uma pequena parte dos lucros.

Caso ganhassem o suficiente teriam capacidade para operar um pequeno negócio com a sua cozinha, contratando um grupo de vendedores que percorreriam as ruas a vender o café.

 

Mãos Livres

Para este trabalho o vendedor necessita de algo para facilmente transportar o café e poder servi-lo sem ter que recorrer a um local de apoio.

Contactei um Fornecedor local para averiguar a possibilidade de criar um arnês forte o suficiente para suportar com um recipiente de café e chávenas, e que fosse ao mesmo tempo leve e confortável.

Testei eu própria os protótipos. O primeiro era pouco firme, o segundo demasiado pesado. Contudo, em poucas semanas e após várias tentativas falhadas, conseguimos alcançar um design funcional.

 

Parceiros de negócio

Estava na altura de encontrar os meus primeiros parceiros de negócio.

Percorri porta a porta os residentes das periferias desses mercados, perguntando se alguém estava interessado em começar com a sua própria cozinha.

Ninguém estava interessado, estava quase a desistir, até que uma senhora e o seu filho disseram que sim.

O jovem rapaz estava à procura de trabalho, mas sempre sem sucesso. Pensou que esta seria uma boa oportunidade para ganhar algum dinheiro e a sua mãe concordou.

 

Um novo começo

Eu fornecia Nescafé, chávenas, frascos e o kit, e a mãe deixava-o preparar o café na sua cozinha.

O rapaz foi para o mercado com alguns amigos e venderam todo o café em poucas horas. Conseguindo fazê-lo igualmente no dia seguinte, e no outro.

Assim que tive a prova que a ideia funcionava, e era credível, consegui convencer mais pessoas a envolverem-se. Todos os dias voltavam a pedir mais café, pois já tinham vendido tudo.

Estava perante algo interessante, tinha que apresentar à minha chefia o que tinha iniciado Contudo, estava um pouco nervosa.

Tinha corrido o risco por minha conta e subsidiado a criação do kit. Tinha enviado pessoas para as ruas a representar o negócio sem a sua aprovação.

Mas quando mostrei o sucesso que a fase de testes tinha tido, imediatamente viu o seu potencial. Ajudou-me a desenvolver o conceito para um programa formal.

 

Embaixadores da marca

Hoje em dia, enquanto caminhamos por Abidjan, cruzamo-nos com os vendedores de Nescafé com as suas t-shirts vermelhas, a vender café a comerciantes, proprietários de stands, até mesmo condutores parados no trânsito.

Estes construíram uma base de Consumidores leais. Tornaram-se excelentes embaixadores da marca Nestlé.

São apenas alguns dos 1.800 jovens, homens e mulheres, de nove países da África-subsaariana que trabalham no programa “My Own Business”.

Deixámos de bater de porta em porta à procura de pessoas para se envolverem. Agora são as pessoas que vêm ter connosco.

 

Portas abertas

Se alguém desejar ser operador, treinamo-lo na área de vendas, gestão, higiene, qualidade e segurança.

Ajudamos as pessoas a encontrarem cozinhas adequadas com um fornecimento de água seguro e limpo para possuírem o seu próprio negócio.

Estas recrutam vendedores da sua comunidade, determinam horários de trabalho, gerem os pagamentos, garantem a segurança do produto e realizam a manutenção do equipamento.

Fico muito orgulhosa quando vejo os vendedores, alguns dos quais anteriormente desempregados, com uma fonte de subsistência graças à minha ideia.

O que começou com uns poucos frascos de café e um pouco de persistência, rapidamente se transformou em algo muito maior do que eu tinha imaginado.