Quase dois terços das nossas emissões resultam da agricultura. É por isso que estamos a investir 1,2 mil milhões de francos suíços até 2025 para ajudar a fomentar práticas de agricultura regenerativa.

Trabalhamos em estreita colaboração com agricultores, fornecedores e comunidades onde operamos de forma a gerar impactos sociais e ambientais positivos.

Estamos a lançar iniciativas para proteger ecossistemas, aumentar a biodiversidade e reduzir as emissões causadas pela agricultura nas nossas cadeias de abastecimento.

O nosso trabalho vai ajudar o meio milhão de agricultores a quem, direta ou indiretamente, compramos ingredientes a adotar práticas sustentáveis e a ter melhores condições de vida. Também ajudará a criar oportunidades económicas em comunidades rurais e a proteger a segurança alimentar.

Uma quantidade significativa dos ingredientes que compramos são oriundos de ecossistemas naturais, que estão sob pressão por causa da agricultura: 27% da nossa pegada de 2018 pode ser associada a esses ingredientes agrícolas.

Estamos a acelerar esforços para proteger e restaurar essas áreas, trabalhando com agricultores e fornecedores para aumentar a biodiversidade e limitar as emissões de gases com efeito de estufa. Isto inclui evitar/eliminar a desflorestação e promover a conservação de habitats naturais, assim como a plantação de centenas de milhões de árvores para desbloquear o poder da agrossilvicultura e da reflorestação para combater as emissões.

Algumas culturas agrícolas, como o cacau e o café, crescem melhor à sombra. Estamos a incentivar agricultores a plantar mais árvores que deem sombra para proteger essas culturas do calor e outras ameaças, como precipitação excessiva. Árvores de sombra também melhoram a gestão de água e a biodiversidade, e absorvem carbono da atmosfera para reduzir as emissões.

Estima-se que a conversão de paisagens naturais por ingredientes nas nossas cadeias de abastecimento ronde os 25-35% de todas as emissões dos nossos ingredientes. Para as cadeias de abastecimento de produtos-chave, como o cacau, café, óleo de palma e soja, a proporção consegue ser ainda mais alta.

O compromisso de zero desflorestação forma um elemento crítico do nosso percurso para a neutralidade carbónica. Para além de novos parceiros e iniciativas, avaliações a nível agrícola, certificações de sustentabilidade e sistemas de acompanhamento que irão escrutinar continuamente e impedir alterações à superfície florestal e uso de terra.

Onde a degradação florestal já ocorreu, temos planos de reflorestação ambiciosos e tencionamos plantar pelo menos 3 milhões de árvores em locais de produções essenciais em 2021, e mais 3 milhões até 2023.

Também investimos 2,5 milhões de francos suíços em conservação e restauração florestal na Costa do Marfim. Este é o início de uma estratégia global de conservação e restauração muito maior para remover mais carbono e fazer chegar importantes serviços ecossistémicos aos locais de onde os nossos ingredientes são provenientes. A nossa ambição é tornar a conservação e a restauração o padrão nas cadeias de abastecimento.

 

Saiba mais sobre as ações que já tomámos em Portugal:

Capa do Net Zero Roadmap
Capa do Relatório de Criação de Valor Partilhado